Páginas

domingo, 12 de abril de 2015

Projeto "Negritude na Rua", Integrantes, Categorias e Suas Funções

 Projeto “Negritude na Rua; Colaboradores e Suas Funções
José Teodoro Costa

Nessa parte do trabalho que projetamos fazer junto com outros companheiros já é inadiável alguns detalhamentos de funções no Projeto “Negritude na Rua”.
Comecemos pelas figuras de Voluntários Colaboradores e as funções que desempenharão dentro deste Projeto.
A categoria de Voluntários Colaboradores será composta por Fundadores, Multiplicadores e Organizadores de Grupos.

Pode-se iniciar o Projeto em questão usando essa configuração mínima de organização, para se trabalhar em quaisquer níveis espaciais, sejam eles ruas, bairros, cidades,  regiões etc.
Por outro lado, para satisfazer diferentes peculiaridades geográficas, sociais, culturais etc., essa configuração mínima também servirá de modelo para se criar outros modelos de organizações mais adequados aos ambientes em que esse projeto precisar de adaptações para ser implantado.

Fundadores:
         São aqueles Colaboradores Voluntários que aderiram à proposta de organizar o “Núcleo de Discussões Propositivas”, subordinados ao Fórum “Intelectualidade Afro-brasileira – I.A.”.
         A função dos Fundadores é fomentar ideias, apresentar propostas, discutir tais propostas, tirar conclusões e estabelecer metodologias de trabalhos capazes de auxiliarem nas orientações com focos no objetivo principal desse “Núcleo” que é superar as interdições que o Racismo Institucional impõe aos interesses dos adeptos da Negritude sob as mais variadas formas. Sabemos que essas interdições tendem a destruir de formas repetidas a construção do protagonismo político das lutas negras antirracistas no Brasil, quando impedem a livre circulação de informações entre os pobres no Brasil, e essa maioria é negra ou tem fortes características hereditárias africanas.
Multiplicadores:
         São todos aqueles futuros Voluntários Colaboradores que vão aderir ao “Núcleo”, por intermédio de convites de cada Voluntário Colaborador Fundador, mediante alguns critérios que ainda serão definidos em comum acordo entre os fundadores.
         Os Multiplicadores terão a função de “garimpar” e orientar os Organizadores de Grupos, segundo as orientações aprendidas nas Metodologias organizadas pelos Fundadores, modificadas em discussões com esses mesmos Multiplicadores, metodologias estas ainda sujeitas a adaptações, de acordo com as experiências já obtidas pelo Projeto “Negritude na Rua”.
Organizadores de Grupos:
         São todos aqueles futuros Voluntários Colaboradores do “Núcleo” que vão aderir ao Projeto “Negritude na Rua”, mediante convites de cada Multiplicador.
         Esses Organizadores de Grupos terão a função de promover reuniões diretamente com os interessados, em local de fácil acesso. Tais reuniões ocorrerão com assistência de pelo menos três(03) Organizadores de Grupos, onde hum(01) se encarregará da Coordenação dessa reunião e dois(02) serão seus auxiliares.
Como a reclamação atual é que “os movimentos negros brasileiros não se unem”, sugere-se que a preocupação maior na implantação deste Projeto seja estrutura-lo dentro de uma perspectiva de obter, tanto quanto possível, unidades de objetivos à medida que as atividades do Projeto “Negritude na Rua” forem avançando.
Nessa perspectiva de construção de união, Fundadores, Multiplicadores e Organizadores de Grupos devem priorizar nunca perder quaisquer contextos que possibilitem destacar a necessidade de priorizar aqueles interesses capazes de satisfazer ao maior número de pessoas possível; seja qual for a amplitude em que se faça o encontro. Em contrapartida e nas mesmas condições em que se procurar construir a unidade, também se procura desestimular vaidades pessoais e grupais, uma vez que tais vaidades desfavorecem amplamente quaisquer construções de unidades também em quaisquer níveis.
Sugestão de leitura complementar:

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Racismo Institucional Contra Negros

O Combate ao Racismo Institucional Contra Negros; parte 1
José Teodoro Costa
O Racismo Institucional, aqui, é conceituado como sendo um conjunto de formas de tratamentos dispensados por agentes públicos a vastos grupos sociais, usual e tacitamente vistos como desfavorecidos, onde agentes públicos representantes de instituições públicas, usando regras diferenciadas no atendimento, baseados em costumes sociais amplamente aceitos pelos favorecidos, de formas recorrentes, desfavorecem pessoas que têm aparências físicas e/ou vivenciam culturas ou costumes diferentes dos daqueles favorecidos, com os quais esses agentes públicos se identificam, com a tendência em beneficiar sempre aos representantes de um mesmo grupo social recorrentemente beneficiado, em recorrente desfavor de indivíduos representantes de outros grupos sociais.
Esse Racismo Institucional é o resultado composto por heranças culturais do Brasil colonial, conjugadas com os efeitos de políticas europeias colonialistas da segunda metade do século 19 e das primeiras décadas do século 20, com as políticas favoráveis à imigração europeia e com decisões econômicas que favoreceram aos modelos de produções agrícolas cafeeiras latifundiárias. Essas políticas de favorecimentos aos imigrantes vigoraram como “Políticas do Estado Brasileiro”, desde a fundação do Regime Republicano, em 1889, até a Quebra da Bolsa de Chicago, em 1929.
Entre 1889 e 1929 os imigrantes europeus e os brancos brasileiros tiveram 40 anos para estabelecerem as vantagens econômicas que detiveram sobre os es-escravos e seus descendentes. Os herdeiros daquelas vantagens continuam mantendo-as até os dias atuais. Aqueles benefícios estatais fizeram com que o Racismo Institucional, do ponto de vista cultural, se transformasse num fenômeno cultural validador do racismo contra negros e seus descendentes sob quaisquer aspecto social, cultural, econômico e político em que se analise o Brasil.
Como resultados do Racismo Institucional entre o período de 1889 a 1929, para as mídias disponíveis nessa época (jornais, revistas, livros e rádios) e teatros; negros e seus descendentes só existiam para serem rebaixados socialmente como pessoas. Seja com a criação do ensino público ou do privado e pago que já existia antes do ensino público ser criado, em todos os níveis, e com o advento do cinema e televisão, esse rebaixamento social ou a completa invisibilidade continuaram.
As invisibilidades de negros e seus descendentes diminuíram e suas chances de inserções econômicas sem exigências de letramento aumentaram modestamente apenas com a diminuição da importância da economia agrária ligada à exportação, com o aumento da industrialização nas cidades importantes no Sudeste e Sul, e com os adventos do futebol como esporte de massas e de emissoras de rádio e de TVs, como oportunidades de ascensões econômicas aos negros, respectivamente, como jogadores de futebol e como cantores. Mas, em termos significativos, o Racismo Institucional continuou e ainda continua trazendo enormes interdições para os negros e seus descendentes se comunicarem entre si massivamente.
Essas interdições continuam ocorrendo com a falta de implantações efetivas dos ensinos das Histórias do Negro no Brasil e no Continente Africano, por intermédio do não cumprimento institucional da efetiva aplicação da  Lei 10.639 e suas congêneres,  nas instituições públicas e privadas, em todos os níveis;  nas grandes mídias comerciais que ignoram solenemente as divulgações de assuntos relevantes, enquanto nas mídias sem finalidades comerciais tais assuntos de interesses da Negritude têm alguma divulgação, mas seus alcances, em termos de números de leitores, ouvintes e telespectadores, bastante modestos.
Ora, sabemos que, sendo o Racismo Institucional uma construção pública institucional, cuja instância direcional começa na esfera Federal, passa pela esfera Estadual, se encerra nas Administrações Municipais e legitimam o racismo no varejo dentro da sociedade brasileira, seu combate só tem viabilidade prática por intermédio de atividades políticas pensadas pelos adeptos da Negritude de formas autônomas e discutidas, definidas e planejadas também pelos próprios militantes das causas negras antirracistas e postas em práticas diretamente junto àqueles mais afetados por ele (o Racismo Institucional).
Quem, apesar de não ser negro, também se achar capaz de colaborar conosco, será bem vindo, mas fazendo o trabalho de mostrar aos seus pares como o Racismo Institucional é prejudicial a todos, sob quaisquer aspectos em que se analise a sociedade brasileira.

Obs.: O Combate ao Racismo Institucional Contra Negros; parte 2, vide https://www.facebook.com/groups/intelectualidadeafrobrasileira/permalink/688679634587714/?pnref=story
 

Web Tracking
Já visitaram...